Que o trânsito do Recife está chegando ao limite todo mundo já sabe. Todos os dias acontecem engarrafamentos monstros em diversas áreas da cidade, independente se é ou não horário de pico. Dia desses fiquei preso por quase 40 minutos na Rua da Hora às duas e meia da tarde!

O governo do Estado (hehehe) e a Prefeitura (pfffff…) do Recife apresentaram planos mirabolantes para solucionar o problema, como viadutos, teletransporte e vias elevadas, que, teoricamente, irão transformar a cidade numa nova Curitiba.

Mas quer saber? A solução para os constantes engarrafamentos não é construir viaduto, porque se a quantidade de carros continuar crescendo esses elevados não vão dar conta do recado. A solução para driblar o caos recifense é: COMPRAR UM CARRO VOADOR!

Isso mesmo! Não, não é coisa de ficção-científica[bb]! O carro voador já existe. Veja abaixo uma imagem do mesmo:

Hã… Não, não é esse. Na verdade, o carro voador de verdade é esse aqui.

Feio, né? Mas quem liga prá estética? O que vale é saber que o veículo funciona. Veja o vídeo abaixo:

O veículo é fabricado pela empresa Terrafugia e custa a bagatela de US$ 274.000!

Agora vamos fazer uma simulação para o uso desse carro nas ruas do Recife.

Eu moro no bairro da Tamarineira e trabalho no bairro de Dois Irmãos – um percurso de 6,5 km que faço em 30 minutos de ônibus ou 15 minutos de carro. Chegar na Universidade Rural pela manhã é um verdadeiro martírio e já levei UMA hora de ônibus de casa até lá. Mas com meu carro voador eu chegaria rapidinho.

Como não tem espaço para manobrar e levantar vôo no meu bairro, era só dirigir  13,7 km até o Aeroporto Internacional Gilberto Freyre, decolar e fazer o percurso de volta à Dois Irmãos e pronto! Engarrafamento zero! Viram como é uma mão na roda?

Seu eu fosse o quase-ex-prefeito João da Costa lançava rapidinho um programa de financiamento chamado Bolsa Carro Voador para a população do Recife, com prestações a perder de vista e juros bem baratinhos. Aposto que ia sair mais barato do que o dinheiro que ele vai gastar na campanha para a sua incerta reeleição.

Só não entendi uma coisa: se prá decolar eu preciso de um aeroporto, como é que vou estacionar meu possante na universidade? Simples: basta a prefeitura e o governo do Estado construirem pistas de pouso e decolagem ao invés de viadutos.

Mal posso esperar para ver o protótipo do ônibus voador.

 

Sphere: Related Content